Dicas

Dicas para viagens mais sustentáveis: durante a viagem

Avião 2 Mundo Indefinido

A 22 de Abril comemora-se o Dia Mundial da Terra. Um pouco nessa linha, resolvi escrever um conjunto de dicas para viajares de forma mais sustentável. Não são coisas propriamente novas (na verdade, talvez apenas não tenhas ouvido falar de uma ou duas delas), mas é sempre bom relembrar.

Dividi as dicas em dois artigos, sendo que o primeiro saiu logo no Dia Mundial da Terra. Porque é que resolvi esperar para Junho para escrever o segundo? Porque no dia 5 de Junho comemora-se o Dia do Mundial do Meio Ambiente e a 8 comemora-se o Dia Mundial dos Oceanos!

Vamos pôr mãos à obra?


No alojamento

Consumo de água

Toma banhos mais curtos. Além disso, não te esqueças de desligar a água enquanto te estás ensaboar. Se não a estás a utilizar, ela não precisa de estar a correr.

Fecha a torneira quando estás a lavar os dentes. Isto sempre me pareceu óbvio, mas sei que há algumas pessoas que não o fazem. Por isso, fica aqui a lembrança.

Uso de electricidade

Reduz o consumo de energia no teu quarto. Se estiveres num hotel com televisão e ar condicionado, desliga-os sempre que não os estiveres a utilizar. Não te esqueças de desligar as luzes quando saíres.

Nos hotéis, evita a utilização do serviço de lavandaria. Tipicamente, a roupa de cada hóspede é lavada separadamente, o que significa que a máquina de lavar é utilizada muito mais vezes do que o que seria necessário.

Nos hostels ou pensões, partilha a máquina de lavar roupa com outros viajantes. Assim, evita-se que a máquina funcione apenas com meia carga, por exemplo. Para além de que é muito mais rápido para todos.

Lidar com lixo e desperdícios

Procurar saber se o alojamento onde te encontras faz reciclagem. Se não fizer, mas se souberes que há ecopontos na rua (alguns países ainda não têm sistemas de reciclagem implementados), leva contigo tudo o que puder ser reciclado e faz tu mesmo a reciclagem.

Evita utilizar as miniaturas de artigos de higiene oferecidas pelos hotéis. Leva as tuas próprias embalagens reutilizáveis ou compra no destino. Os frascos pequenos dos hotéis representam um desperdício enorme, porque são de utilização única. Felizmente, alguns hotéis já começam a ter recipientes reutilizáveis em vez de frasquinhos para champô e gel-de-banho.

Se utilizares as miniaturas de artigos de higiene oferecidas pelo hotel, leva as sobras contigo. As sobras são geralmente descartadas pelo alojamento, e podes reutilizar os pequenos frascos em viagens futuras.

Nos passeios e descobertas pelo destino

A escolha do meio de transporte

Caminha, anda de bicicleta, ou utiliza transportes públicos para te deslocares. Para além de estares a contribuir para a redução de combustível, também poupas dinheiro e fazes algum exercício. Para mim, não há melhor forma de se conhecer uma cidade do que andar a pé pelas suas ruas.

Para locais mais distantes e sem transportes públicos, considera a opção de partilhares um táxi ou carro. Além de ser mais económico, é também uma excelente forma de se conhecer outras pessoas.

Caso decidas ir de carro, considera a utilização de um veículo híbrido ou eléctrico. Tipicamente consomem menos combustível e são mais ecológicos do que os carros ditos comuns.

Caso decidas ir de carro, conduz de forma eficiente. São coisas bem simples, como ter a pressão correta dos pneus (permite economizar cerca de 10% no consumo de combustível), manter a velocidade constante, e não andar muito depressa. Sabias que, ao passar a velocidade de 100 para 120 km/h, o consumo pode aumentar 44%?

A escolha das actividades

Utiliza protectores solares que não tenham substâncias que danifiquem os oceanos. Confesso que não fazia ideia que muitos protectores solares podiam ter efeitos negativos na água em geral, e nos recifes de coral em particular. No entanto, algumas substâncias destes produtos matam corais em desenvolvimento, aumentam o branqueamento dos corais e causam danos a vários organismos marinhos. Evita produtos com oxibenzona, butilparabeno, octinoxato e 4-metilbenzilideno-cânfora.

Caso vás fazer mergulho, não toques nos animais (incluindo corais).  Ao fazê-lo, podes estar a danificar o ecossistema marinho e a deixar os animais em tensão. Em alguns casos, a tensão é tanta que os animais podem mesmo morrer.

Evita visitas organizadas que incluam actividades com animais que vão para além de os ver a uma certa distância.  Exemplos de actividades a evitar são: montar elefantes, ou tirar fotografias com tigres ou leões. Ao fazê-lo, estamos a apoiar uma indústria que captura e abusa ilegalmente de milhões de animais todos os anos. Estes são animais selvagens que, para estarem tão perto de nós, estão muitas sob efeito de sedativos ou sofreram grandes abusos e maus tratos durante o seu treino. Tive muitas dúvidas em relação a andar de camelo na Mongólia. Acabei por fazê-lo e, para mim, a experiência foi incrível. Mas e para o camelo? Pois...

Segue as indicações nos trilhos com sinalização. Elas existem por um motivo. Ao seguires o caminho marcado, evitas causar danos às plantas e animais que por ali se encontram. Para além de que é muito mais seguro para ti. Já houve algumas pessoas a terem acidentes graves ou a morrerem por não respeitarem as sinalizações nos parques naturais.

Caso decidas fazer uma viagem organizada, pesquisa sobre as políticas das empresas antes de fazeres a reserva. Utiliza empresas que tenham o turismo sustentável em consideração e que empreguem guias locais.

Experimentando a gastronomia

Não comas espécies ameaçadas. Na verdade, é totalmente possível fazer uma viagem sem consumir nenhum tipo de produto de origem animal. No entanto, se deixar de comer animais não é a tua escolha, evita tartaruga, atum de barbatana azul, sopa de barbatana de tubarão, ou qualquer alimento que contribua para a extinção e sofrimento atroz dos animais.

Sempre que possível, consome alimentos da estação, produzidos localmente. Verifica também se o que estás a comer, é o que os locais consomem. Por exemplo, em alguns locais na Ásia, as pessoas habitualmente não comem insectos, mas encontram-se diversas barraquinhas com estes animais, apenas para o turista.

Leva uma garrafa de água reutilizável. Caso seja de plástico, verifica se é livre de BPA e se o material é durável. Eu tenho uma com filtro removível, cujo plástico é extremamente resistente. A garrafa anda comigo para todo o lado, mesmo no dia-a-dia, quando não estou em viagem. Nos restaurantes, e caso não consigas encher a tua garrafa, pede a maior que tiverem, em vez de pedir garrafas plásticas individuais.

Na interacção com as pessoas locais

Respeita a cultura e os costumes locais. Veste-te e comporta-te de forma respeitosa, mesmo que não concordes. Não te esqueças: tu é que és o estrangeiro ali.

Pede permissão antes de tirar uma fotografia a alguém. Em algumas culturas, especialmente entre os povos indígenas ou aborígenes, tirar uma fotografia é considerado como roubar um pouco da alma dessa pessoa.

Aceita as diferenças culturais. É normal que, em algumas situações, te possas sentir um pouco desconfortável ou com alguma frustração, mas tu é que és diferente. Na China, respirei fundo algumas vezes, porque as pessoas empurram, passam à frente nas filas, chocam contra ti e não pedem desculpa... Mas é cultural, são assim com toda a gente, não era nada contra mim, e tive de o saber respeitar.

Aprende algumas palavras no idioma local. Não é preciso ser nenhum curso intenso, apenas coisas simples como "olá", "bom dia", "desculpe", "por favor" e "obrigado". Isto vai-te dar uma maior compreensão e apreciação pelo país e pelos seus habitantes. Para além de que as pessoas vão estar muito mais receptivas à tua presença.

Não dês esmolas a crianças. Não é fácil, mas a verdade é que, muitas vezes, isto fomenta uma economia de mendicidade, em que a criança é retirada da escola e não tem acesso à educação. Se queres ajudar, a melhor forma de o fazer é entrando em contacto com uma organização local. Podes ir a sítios web como Pack for a Purpose, e ver que projectos existem.

Compras e lembranças

Rejeita os sacos de plástico. Ando sempre uma pequena mochila de dia, onde aproveito para guardar as compras. Também podes levar um saco de pano, dentro da mochila, para guardar alguns alimentos.

Paga preços justos em todas as tuas compras. Não gosto de pagar demasiado, não apenas porque viagens mais económicas permitem-me viajar mais, mas porque os preços inflacionados têm efeitos negativos na economia local. No entanto, pagar menos do que o valor da matéria-prima e das horas de trabalho, está a contribuir para a exploração laboral. Tenta perceber qual o valor justo daquilo que pretendes comprar.

Apoia a economia do destino, comprando lembranças que foram feitas localmente. Por experiência própria, sei que muitas vezes não é fácil. Foi apenas quando estive no Canadá, em 2017, que me apercebi como era difícil comprar coisas produzidas no país. Mas com um pouco de esforço, é possível. Não te esqueças: comprar é votar.

Não compres produtos feitos de plantas ou animais ameaçados. Pode ser muito tentador comprar aquela concha, mas já pensaste no impacto que isso pode ter no ecossistema?

Tens mais dicas sobre sustentabilidade durante a viagem?
Diz-me nos comentários, para eu actualizar esta lista!